Burger King, a comunidade LGBTQIA+ e o ataque às famílias tradicionais

Atualizado: Out 21

Campanha do Burger King gera polêmica nas redes sociais ao lançar um vídeo em que crianças apresentam suas opiniões sobre relacionamentos homoafetivos.



O QUE ACONTECEU? NOTÍCIA SEM MEU PONTO DE VISTA:

A rede de fast-food do Burger King Brasil em parceria com a Associação da Parada do Orgulho GLBT (APOGLBT) lançou nesta semana um vídeo que faz parte de uma campanha intitulada “Como Explicar?” em que traz a perspectiva de crianças sobre o tema da diversidade LGBTQIA+.


O vídeo se resume em crianças e pré-adolescentes dando suas opiniões sobre o que eles entendem por LGBTQIA+, no qual todas as crianças são favoráveis a esta prática, tanto que a linha de argumentação da campanha é: “Não sabe como explicar LGBTQIA+ para crianças? Aprenda com eles: Se eles conseguem, você consegue”.


Juliana Cury, Diretora de marketing e inovação Burger King desde maio de 2021, em nota ao G1 explicou que esta campanha é um convite a reflexão sobre a diversidade presente na sociedade atual, que necessita de mais empatia, respeito e tolerância.


Imediatamente a #BurgerKingLixo assumiu a segunda posição dos Top Trends do Twitter e defensores da família tradicional e membros da comunidade homoafetiva travaram uma batalha nas redes sociais. De um lado promovendo boicotes à marca e do outro mais tolerância e uma militância contra a homofobia.


Líderes evangélicos, como Silas Malafaia e Josué Gonçalves, também entraram na discussão em repudio ao comercial, apelando para que a comunidade evangélica não mais frequente um lugar como esse, sob a alegação de que não condiz com o viver de um cristão verdadeiro.


O BK, além do vídeo, também mudou as cores de suas redes sociais para as cores da bandeira LGBTQIA+. Bem como lançou uma cartilha com dicas e instruções para ajudar os pais a introduzirem a cultura homoafetiva aos seus filhos, essa cartilha intitulada “No BK todos são bem-vindos” apresentam os significados de todas as siglas e títulos utilizados pela comunidade.


AGORA SIM, MEU PONTO DE VISTA:


Sobre homoafetividade:


Consigo compreender facilmente que a luz da Bíblia, a Palavra de Deus, o homossexualismo não é um pecado diferente de tantos outros que cometemos, porém sou categórico em afirmar que ainda é pecado e, portanto, precisa de arrependimento, abandono e perdão.


Esta afirmação leva em conta apenas o indivíduo que entendeu de fato o Evangelho de Jesus Cristo e que deseja ter um relacionamento com Ele. Se este não é o seu caso, faça da sua vida o que você bem entender, contudo ainda defendo que a sua intimidade diz respeito apenas a você, não me interessa saber o que você faz entre quatro paredes!


E este é o grande problema, o cidadão ou a cidadã na sociedade atual quer ter sua vida sexual exposta em todo lugar e ainda exige apoio para suas libertinagens (sejam elas quais forem). Sua privacidade é sua privacidade, portanto guarde-a para você, inclusive não deveria ser assim mesmo?


Repito, faça o que você quiser de sua vida, ela é sua e somente você irá prestar conta das suas escolhas! É minha obrigação te respeitar, mas também meu direito não concordar com tal prática. Contudo, sua escolha sexual não é imperativo para sua salvação, pois ela se dá através de Jesus Cristo e sua expiação na cruz do calvário, em que tomando o nosso lugar na morte, oferece sua vida em troca. A salvação é um presente gratuito de Deus ao pecador (você, eu e todos os demais). Por outro lado, sua escolha sexual tem a ver com sua santidade e relacionamento com Deus, pois sendo um pecado quebra nossa comunhão com o Pai, mas para isso há solução. Não é uma solução fácil, mas eficaz! Exige arrependimento, abandono do pecado resultando no perdão divino (1 João 1:9).


Será fácil? Claro que não!!! Eu sofro contra meus desejos também! Mas entendi que o sacrifício de Jesus foi muito maior que meus vãos prazeres carnais, por isso tento diariamente mortificar minha carne e digo que valerá muito a pena lá no céu.



Sobre a campanha do BK:


Há uma expressão em inglês que gosto muito que é “SHAME ON YOU” que poderia ser traduzido como “VOCÊ DEVERIA SE ENVERGONHAR”. Então eu diria:


SHAME ON YOU BURGER KING!


Colocar crianças diante de uma câmera, com o propósito de usar sua inocência para relativizar pecado é inadmissível. Porém não deixa de ser uma sacada milionária, não é mesmo?! Até porque note como só se fala nisso hoje. No entanto, infelizmente essas crianças não estão apenas dando suas opiniões inocentes, elas estão relativizando um pecado, mas não qualquer pecado, mas um pecado que permeia uma área que elas NEM SEQUER DEVERIAM TER CONHECIMENTO AINDA, que envolve vida sexual.


Expor crianças a sexualidade precoce deveria ser inaceitável, pois rouba da criança o que ela tem de mais precioso que é a inocência, antecipando pensamentos que ela deverá lidar para o resto de suas vidas, mas interessante que nenhum dos tais psicólogos presentes na gravação deste comercial sequer refletiram sobre isto, não é mesmo?!


Relativizar pecado é zombar de Jesus Cristo e sua morte propiciatória, é zombar do que foi feito por mim e você, portanto deve ser inadmissível para um cristão de verdade! Mas, duvido que a intenção do Burger King era essa, mas apenas de chamar atenção e lucrar milhões em cima de uma estratégia fútil e desprezível como a utilizada, então parabéns!!!


E você? O que achou da campanha do BK? Comente aí!

39 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo